21/04/2016

A Mulher do Século XXI

Vocês já notaram que a cobrança, principalmente para (ou contra) a mulher é contínua? E com o passar dos anos, eu vejo que a cobrança aumenta e o apoio diminui.

Sempre ouvi dizer que a mulher é o sexo frágil, mas cá entre nós, somos o sexo forte pois só a mulher tem o jogo de cintura necessário para driblar esse machismo da vida.

Tudo começa com: “E os namorados?”, depois “Você não vai casar não?” e por fim “Tá na hora de ter filhos”. Gente, estamos no século XXI e ainda somos obrigadas a escutar esse tipo de coisa.

Então, caro leitor e cara leitora, vou contar alguns segredinhos para vocês:
Ninguém está sozinho apenas por que quer. É isso mesmo! Estou solteira sim, estou feliz assim, mas isso não quer dizer que eu não queira alguém para esquentar meus pés nos dias frios. Claro que eu quero e acho que no fundo, tudo mundo quer. Mas o problema é que eu não quero um alguém qualquer e eu não mereço um alguém qualquer. Uma das vantagens de ficar experiente, é que nosso amor próprio aumenta e nos valorizamos demais para aceitar um “amor” qualquer. Nós queremos companheirismo, cumplicidade, um bom sexo, brigas saudáveis e muito amor. Vocês tem noção do quão difícil é conseguir isso? Além desse fator, a proporção de homens para a quantidade de mulheres também não nos favorecem e por fim, eu não cuido da vida de ninguém, então por favor, não queiram cuidar da minha. A pessoa namora quando acha que deve namorar e quem ela quiser namorar, ninguém tem nada com isso!

Segundo, o casamento! Ah, casamento! Quem aí tem mais de trinta vai entender bem essa cobrança. Eu queria saber quando foi que decidiram que casar é obrigatório. Você não sabe do que eu estou falando? Depois dos trinta as pessoas acham que temos por obrigação ter alguém e casar ou pelo menos ficar noivo, mas o ideal para todos é casar mesmo. Sou uma mulher meio atípica, nunca sonhei com o casamento, nem quando namorei aquele que pensei ser o amor da minha vida (e é claro que não era). Claro que sonhei e sonho em ter alguém bacana, mas casar? Não! E se eu casar, se preparem! Pois não vai ser nada tradicional. Se eu não sou tradicional, não sou obrigada a ter um casamento tradicional e ninguém é, que fique claro isso. Se tem alguém por aí que está sendo importunado para casar, devolva a pergunta para quem te importuna: “ E seu casamento, vai bem?”. Tenho certeza que esse ai nunca mais irá te incomodar.

Última questão: filhos! Pessoas do meu coração, ninguém é obrigado a querer ter filhos, aceitem isso. Se você teve os seus, fique feliz por isso e trate-os como reis e rainhas, príncipes e princesas, mas deixa a coleguinha decidir se ela quer ter filhos, quando e com quem ela quer ter. Isso tudo é problema dela! 

Colocar uma criança nesse mundo louco de hoje não é uma decisão fácil e se você acha que é covarde quem decide não ter, tudo bem! É seu direito achar isso, mas também é direito de qualquer pessoa ser corajoso o suficiente para admitir que não quer. Eu amo criança, acho que são os seres mais preciosos que existem no mundo, mas no momento, não me sinto segura o suficiente para cuidar de um outro ser humano que não seja eu. Posso mudar de ideia daqui uns tempos e me apego no fato de a medicina estar cada dia mais adiantada e mulheres estão tendo filhos cada dia mais velhas. E se eu não conseguir ter filhos de sangue, penso sim na possibilidade de adotar e não me incomodo se você me chamar de louca, só peço respeito!

Respeite! Respeitem as mulheres e o direito de escolhas delas! Respeite a mulher solteira, casada e divorciada. Respeite a opinião contrária a sua e por fim, entenda! Entenda que o mundo mudou, que as mulheres conquistaram o direito de ter a vida que quiserem e pagam um preço muito alto por isso. Entenda que ninguém é como você e talvez ninguém pense da mesma forma que você e que mesmo assim, podemos viver felizes com nossas escolhas. 

Nenhum comentário

Postar um comentário

Agradeço imensamente pelos comentários.
Posso demorar,mas respondo!!! Obrigada pelo carinho♥

Layout criado por : Paloma Martins . Trem Chique © Todos os direitos reservados. 2016
© Trem Chique
Maira Gall